Diplomacia de JLO repescada para RDC, China, Europa e os EUA

0
303
João Lourenço e Felix Tchissekede, Presidentes de Angola e da RDC

Embora mantendo a sua influência a nível regional, o presidente angolano, João Lourenço, encetou um reequilíbrio das relações com a China para benefício da Europa e dos Estados Unidos. Tribuna.

Não foi fácil suceder José Eduardo dos Santos em matéria de política externa, pois o homem se destacou nesta área. Ministro dos Negócios Estrangeiros da jovem república angolana antes de se tornar seu presidente (1979-2017), há não menos de meio século que acumula o conhecimento dos homens e do funcionamento da diplomacia. Calmo e reservado, ele viajou pouco, mas sua habilidade e compreensão dos casos fizeram maravilhas durante as audiências que concedeu.

Sem ter a experiência nem o talento do seu antecessor, o Presidente Lourenço mostra um certo gosto – e muito bom domínio – destas questões, contando também com alguns diplomatas de alto nível. João Lourenço seguiria os seus passos os de José Eduardo dos Santos? A realidade é mais complexa.

Se entendermos a política externa como uma extensão da política interna, podemos considerar sua cruzada contra a corrupção como o ato – de ruptura – que funda sua diplomacia. Ao despedir, poucos meses após a sua eleição em 2017 , Isabel e José Filomeno dos Santos, respetivamente à frente da onipotente petrolífera Sonangol e do fundo soberano, o chefe de Estado alertou as chancelarias para as importantes mudanças que ele queria operar.

Com estas boas intenções, conseguiu embarcar em maio de 2018 numa digressão por capitais, principalmente europeias, repetindo incessantemente que uma nova Angola estava em construção e que os investimentos estrangeiros diretos (IDE) ali eram bem-vindos. Essa diplomacia do IED, que substituiu a dos petrodólares, não é fruto do acaso. Ele responde a uma necessidade enquanto os cofres do Estado se esvaziam perigosamente, sem que o preço do barril sugira um futuro melhor.

Reequilibrando a favor do Ocidente

Esta política de abertura orientada principalmente para o Ocidente, em pouco tempo, tornou Angola novamente frequentável. Os países europeus, a União Europeia e as instituições internacionais responderam e permitiram a Luanda restabelecer um certo equilíbrio nas suas relações internacionais demasiado centradas na China.

Dada a rivalidade entre eles e Pequim, os Estados Unidos só poderiam saudar as mudanças que ocorreram. “Durante os primeiros dois anos e meio de mandato, o Presidente Lourenço fez um trabalho importante para fazer da corrupção um fantasma do passado […] e estou optimista quanto à sua capacidade de continuar a libertar Angola da corrupção”, saudou o Secretário de Estado da administração Trump, Mike Pompeo, em fevereiro de 2020, durante uma visita a Luanda.

Tanto que nos perguntamos se a cruzada anticorrupção de João Lourenço não é mais apoiada pelos seus parceiros ocidentais do que no seu próprio país, onde é frequentemente criticada pelo seu caráter arbitrário.

Jogador-chave na região

A diplomacia sub-regional de Lourenço, por outro lado, faz parte da continuidade. Isto pode ser explicado pelo peso de Angola, mas também por uma espécie de “descomplexação” certamente devido ao seu posicionamento internacional que lhe permite afirmar-se mais a nível local.

Luanda é um ator chave na região, utilizando tanto canais bilaterais como órgãos regionais, como a Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) e a Conferência Internacional dos Grandes Lagos (ICGLR). Na opinião de vários diplomatas, a participação angolana pode ser qualificada como “justa e transparente”.

Angola é particularmente ativa na resolução de conflitos, como vimos durante a disputa entre Ruanda e Uganda ou durante a crise na República Centro-Africana . Mas Luanda vai mais longe ao mostrar o seu desejo de reformar a CEEAC e a ICGLR de forma a torná-las mais fortes e credíveis.

As recentes nomeações de dois diplomatas experientes são a prova disso: João Caholo – que durante dez anos foi Secretário Executivo Adjunto da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) – tornou-se em Novembro Secretário Executivo da ICGLR e Gilberto da Piedade Veríssimo – soldado e o professor, ex-representante de Angola no Comité de Peritos da Comissão do Golfo da Guiné – assumiu a presidência da Comissão da CEEAC no final de Agosto.

Sem esquecer a nomeação de Georges Chikoti para Secretário-Geral dos ACP (África, Caraíbas, Pacífico), o ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros angolano – o primeiro orador português a ocupar este cargo. No entanto, este dinamismo diplomático ainda não se traduziu em participação militar em missões de paz, com Angola a continuar assustada com a sua intervenção na Guiné-Bissau em 2012 .

Tensões com a RDC   

Finalmente, é impossível não se aproximar da RDC. A exemplo dos países interessados ​​no dossier, incluindo a Bélgica com quem “a corrente vai bem”, Angola aliou-se à eleição de Felix Tshisekedi em nome da “realpolitik”, fechando os olhos aos protestos que acompanharam o anúncio dos resultados das eleições.

Mas, apesar das várias visitas do presidente congolês a Luanda e de comunicados conjuntos de bom entendimento, Angola tem lutado para esconder o seu descontentamento, considerando a presidência de Tshisekedi decepcionante e criticando-a pela falta de seguimento em certas questões, incluindo o controlo das fronteiras entre os dois países e a implementação de uma zona conjunta de exploração de petróleo .

Só recentemente a situação mudou, graças à emancipação de Tshisekedi vis-à-vis seu antecessor, Joseph Kabila. O presidente Lourenço havia dado claramente sua aprovação a esse desenvolvimento. O sobrevoo, no final de Novembro, da Força Aérea angolana de Kinshasa e do “balneário” do ex-presidente Joseph Kabila foi uma manifestação convincente disso.

Rússia, uma aliada muito presente

A política externa de João Lourenço é, portanto, ambiciosa e a abertura de Angola é facilitada pelos compromissos assumidos ao nível da boa governação. Mas o reequilíbrio das relações com a China está sendo feito com cautela, já que o tamanho da dívida com Pequim continua sendo uma contingência de peso. Sem esquecer que a Rússia continua a ser, por razões históricas, um aliado muito presente. Angola poderá abster-se de escolher o seu acampamento? Em todo o caso, Luanda há muito que aprendeu a ser pragmática.

C/Jeune Afrique

Seja o primeiro a comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva o seu nome aqui