Governo quer comprometer futuro do país com empréstimos

0
145

 

“O Governo continua a endividar o país com empréstimos pelo mundo, comprometendo, assim, o futuro dos angolanos que nem sequer beneficiam do dinheiro”, Advertiu o economista Sapalo António.

O antigo deputado pela bancada parlamentar do Renovadores Sociais reprova o périplo diplomático que presidente da República desenvolvido com as principais economias do mundo, cuja finalidade é angariar apoio financeiro.

Sapalo António também falou da revisão do Orçamento Geral do Estado que, segundo ele, o executivo terá ignorado mesmo com a flutuação do barril do petróleo no mercado internacional.

“Se o MPLA, partido que suporta o Governo, aceitasse a proposta de revisão do Orçamento Geral do Estado, podia se atenuar ou evitar esta situação que se verifica agora finanças públicas”, descreveu o economista.

A corrupção é outro mal, de acordo com o nosso entrevistado, tem exercido influência negativa no desenvolvimento do país por ser um fenómeno que domina todos os sectores do funcionalismo público.

Diplomacia económica

Para o analista político, a diplomacia económica desenvolvida pelo Presidente da República nos últimos anos é péssima e não serve para o desenvolvimento do país, mas sim, para defender os interesses de outros.

“A diplomacia de JLO não terá solução, apenas o que se pretende é fazer lavagem da imagem do MPLA. Quem deve fazer a diplomacia é o cidadão viajado e não os militantes do MPLA que vão com intuito de vender imagem do seu partido”, desabafou Sapalo António.

Falando de alguns empréstimos que Governo angolanos resultado da cooperação encetada por JLO, principalmente com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o economista reprova e conta que terá implicações devido os princípios inalienáveis de financiamentos deste instituição.

Refere que o FMI ao implementar um empréstimo a pressupostos como a redução de trabalhadores, de subsídios, e a diminuição de outros serviços para permitir negociar a divida com o Governo angolano.

O também gestor universitário a boa governação significa independência das instituições e da democracia económica e deve ser a bandeira do Governo para se combater a corrupção em Angola e dar credibilidade ao mundo.

Atendendo as informação do nosso entrevistado a economia angolana não é confiável para instituições financeiras internacionais por falta de capacidade politicas credíveis.

“Quando há mais divisas também melhora a qualidade de vida do cidadão por que há formas diversificação da economia, com isto o Governo implementa políticas de investimentos para descentralização da economia”, sugeriu.

De acordo com Sapalo António, a Angola não precisa definir prioridade, mas criar condições para que o  cidadão aposte  na economia agrícola e na pesca para que haja que liberdade económica entre as famílias”.

Seja o primeiro a comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva o seu nome aqui