Redacção

Milhares de jovens estudantes saem às ruas da cidade do UÍGE para exigir admissão de Mpinda Simã que substituiu, há dois anos, Paulo Pombolo que governou a província no período compreendido entre 2009 e 2017, apurou à apública de Leu Kenyatta, um dos promotores dos protestos.

Em causa a má governação do elenco liderado por governador provincial do Uíge, Mpinda Simão.

O estudante de engenharia informática, de 27 anos, entende que, desde a indicação de Mpinda Simão na Província do Uíge nunca registou melhoria no capítulo social e de infra-estruturas nas terras do bago vermelho.

Kenyatta afiançou que várias cartas foram endereçadas ao Governo Provincial do Uíge, Comando Provincial da Polícia Nacional e à Presidência da República a informar a intenção de saírem às ruas da cidade do Uíge.

“Esperemos no dia 22 de Fevereiro, no Estádio 4 de Janeiro, que a juventude interessada em participar na festa da democracia apareça para juntos gritarmos “fora Mpinda Simão” já não te queremos mais”, desabafou o organizador.

“Manifestação vai decorrer como o conhecimento do governador provincial do Uíge, Mpinda Simão, que, por sua vez, aconselhou os protestantes a endereçarem uma carta ao comandante Provincial da Polícia Nacional.

Suportou que a manifestação vai decorrer num ambiente de paz, em volta daquilo que está mal, porque será baseada para melhoria das condições de vida das famílias, bem como   para os jovens mais atingidos pelas políticas de Mpinda Simão.

“O índice de desemprego continua a subir no Uíge. O Centro de Formação do MAPTESS continua a formar jovens que terminam sem nenhuma oportunidade de emprego, frustrando o futuro da mocidade Uigense”, adivinhou Leu Kenyatta.

Vaticinou que uma das preocupações da juventude também se prende com atraso na conclusão das obras da Mediateca e da Casa Juventude que, há cinco anos, não regista o seu término, não sei se é por falta de valores ou de vontade das autoridades locais.

O problema do saneamento básico, fornecimento de energia eléctrica e falta de medicamentos, de acordo com o activista, também são dificuldades que mexem com a província do Uíge, tendo afirmado que isso é sinónimo de numa clara demonstração de má governação do actual governador.

Mpinda Simão é o 17º governador do Uíge, substituindo Paulo Pombolo que governou essa província no período compreendido entre 2009 e 2017.

Seja o primeiro a comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva o seu nome aqui