Milhares de angolanos protestaram em Luanda contra violência policial em memória de médico morto

0
158

Médicos e a sociedade civil marcharam este sábado, na capital angolana, em memória de Sílvio Dala, que morreu depois de ter estado na esquadra da polícia, que o prendeu por conduzir sem máscara. Foram milhares de angolanos no protesto que ocorreu em Luanda contra violência policial.

Médicos e a sociedade civil marcharam este sábado, na capital angolana, em memória de Sílvio Dala, que morreu no dia 1 de setembro, após ser detido num posto policial por conduzir sem máscara. Manifestantes exigem o fim da violência policial.

Adriano Manuel garante que um dos objectivos da marcha foi com o luto nacional, como medida de protesto em solidariedade pela morte, no dia 1 de Setembro, do médico Sílvio Dala, num posto policial, no bairro Rocha Pinto, em Luanda.

Sindicato Nacional dos Médicos duvida que o desfalecimento esteja na origem da morte do pediatra Sílvio Dala, de 35 anos, garantido que a sua organização está a fazer uma investigação paralela sobre as reais motivações que o levaram a sucumbir na esquadra.

Por isso, o médico Adriano Manuel informou que existe a documentação que vai provar as razões da  morte do antigo director clinico do Hospital Materno Infantil da província do Cuanza Norte, contrariando das declarações apresentadas pela Polícia Nacional.

O sindicato não descarta a possibilidade de abrir uma queixa-crime contra à Polícia Nacional, porque, para ele, os “homens da farda azul” humilharam o pediatra Sílvio Dala.

Os médicos lamentaram a posição da bastonário da Ordem dos Médicos de Angola, Elisa Gaspar, que, um dia antes, demarcou-se de qualquer tipo de manifestação em relação a morte do médico Sílvio Dala.

 

Seja o primeiro a comentar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, escreva o seu nome aqui